quarta-feira, 13 de junho de 2018

À primeira vista - Nicholas Sparks

Escutei muito que nos livros de Nicholas Sparks:

  • sempre morre alguém;
  • que se chora muito
  • que é só tristeza e perdas antes de se ser feliz.
Entre outros. À primeira vista é o segundo livro que leio do autor e já comecei a compartilhar desta opinião.


Em à primeira vista vamos conhecer a história de Jeremy e Lexie.   
Jeremy um homem de 42 anos que ganha a vida escrevendo artigos para revistas. Mora em Nova Yorks e é divorciado.
Em uma de suas viagens a trabalho ele conhece Lexie.
E logo de cara se encantam! Surge entre os dois um sentimento muito forte, que faz com que os dois queiram viver tudo que estão sentido.
Então Jeremy acaba se mudando de Nova York pra viver esse amor.
As coisas acontecem muito rápido: eles vão morar juntos, decidem se casar, compram uma casa e ela engravida.
Mas no meio disso tudo as coisas mudam a começam a surgir dúvidas.
Ele que estava todo feliz, recebe um email o alertando. Então ele passa a viver com dúvidas. 
E sabe aquela história que as coisas podem piorar?  Além das desconfianças em relação a mulher, ele não consegue escrever o que influencia na renda, os gastos coma reforma da casa e com os gastos da gravidez que acaba tendo algumas complicações.

É um casal que vai passar pelas incertezas, as angústias de um relacionamento. Angústias, incertezas que só surgiram devido a um email, porque apesar de ser um relacionamento curto os dois se davam muito bem, tinha todo um romantismo, companheirismo e uma entrega pra que essa relação fosse pra frente.
O livro é narrado por Jeremy então conforme o sentimento dele no momento pela Lexie era o que sentia também. O autor conseguiu me manipular muito bem. A escrita conseguiu me motivar a continuar lendo pra saber o que ia rolar fora que fui criando várias possibilidades.


Só depois de terminar a leitura é que descobri que À primeira vista é continuação de O milagre. Mesmo não tendo lido o primeiro conseguir compreender  toda história sem nenhuma dificuldade mas quero muito ler O milagre sim.
E só pra confirmar a teoria levantada no começo CHOREI SIM e gostei muito da história VALE A PENA!

sexta-feira, 1 de junho de 2018

Juntando os pedaços - Jennifer Niven

Juntando os pedaços é um liro que me chamou atenção quando vi no insta de uma amiga. Desde então estava interessada em adquirir pra ler.

Aqui vamos conhecer Jack e Libby.
Jack é um garoto que em PROSOPAGNOSIA ( doença que impede de reconhecer as pessoas), ele vê as pessoas identifica nariz, boca, olhos mas não consegue identificar o conjunto. Então para identificar as pessoas ele usa o que a pessoa tem de marcante: o jeito de andar, o cabelo, o jeito de vestir entre outros. O que é interessante é que as pessoas a sua volta não sabe que Jack sofre dessa doença.

Já a Libby é uma garota que passou anos em casa sem ao menos ir a escola. Ela ficou os últimos anos em casa se recuperando da morte da mãe. Pra se recuperar ela encontrou na comida o alívio que ela precisava. Engordou horrores e passou a ser conhecida como a garota que precisou de um guindaste pra sair de casa.

Depois de achar que estava pronta pra voltar a escola, conhecer novos amigos , dançar, encontrar um amor ela retorna a escola.
Mas por mais que tenha emagrecido ela continua sendo grande e isso chama atenção dos valentões.
E o mundo de Jack e Libby acabam se cruzando. 


Jack que é um garoto popular, bonito, carismático e faz de tudo pra manter essa imagem e acredito que para esconder a doença.
Libby a garota gorda, que não é considerada bonita e que pelo ponto de vista alheio não merece ser feliz. Porém ela é engraçada, boa dançarina e tenta não se abater com que fazem com ela. Tenta manter o amor próprio a todo custo.

Os personagens que aparentemente tem tudo pra não dar certo, se encontram e mostram que apesar das diferenças se encaixam e querem viver o que sentem. Que enxergam no outro a beleza que ninguém vê.
O livro possui uma linguagem muito gostosa com a narrativa que é intercalada pelo ponto de vista dos personagens. Ora Libby ora Jack.
É uma leitura que rende pra caramba e com direito a trilha sonora. A música I love to love é citada durante o livro e quando eu vi tive que parar pra escutá-la. É uma música que me lembra muito as aulas de inglês já que o professor a traduziu e nos fazia cantar, era maravilhoso!!


Fica a dica!!


domingo, 13 de maio de 2018

A Escrava Isaura - Bernardo Guimarães

A escrava Isaura foi o primeiro livro lido para o PROJETO 12 CLÁSSICOS NACIONAIS PARA 2018.
A escrava Isaura é um romance de Bernardo Guimarães que foi publicado em 1875. O livro é narrado na 3ª pessoa e tem como foco principal Isaura.


Isaura é filha do capataz Miguel com a escrava Juliana, que por sinal era muito bonita e acaba despertando o interesse do Comendador Almeida (dono de Juliana) que quer a todo custo que ela ceda a seus caprichos. Por não ceder Juliana sofre horrores e acaba morrendo depois de tantas maldades.

Isaura nasce com o tom de pele claro e com a morte de sua mãe a esposa do comendador acaba "adotando" Isaura que por ser branca tem um tratamento diferenciado dos outros escravos, tendo acesso a melhor educação da época, aprendeu a ler, escrever, tocar piano e aprendeu francês e italiano.
A mulher do comendador tinha o sonho de libertar Isaura o que não acontece. Com a morte da esposa do comendador Isaura acaba se tornando prioridade de Leôncio (filho do comendador), um sujeito  mau caráter que é casado por conveniência mas nutre uma paixão por Isaura.Que assim como sua mãe não corresponde aos caprichos de seu "dono" e vai sofrer nas mãos de Leôncio por não corresponder a seus desejos.



O que vale destacar aqui é toda questão levantada em cima da questão racial, o fato de Isaura ter privilégios simplesmente por ser branca, mesmo nascendo escrava, mesmo tendo sangue negro nas veias.
Ler coisas do tipo: ELA É TÃO BONITA, BEM EDUCADA! CERTEZA QUE É UMA ESCRAVA?
Ou ler que ela merecia ser liberta porque era era branca. Como se os negros merecessem todo o sofrimento graças a cor de sua pele.

Infelizmente são questões que até hoje são bem vivas. A facilidade que pessoas de tons mais claros tem, a dificuldade dos negros de conquistarem realmente sua liberdade financeira, de cursarem uma boa educação. Tudo isso acontece e não é de hoje.
O livro levanta essas questões que nos fazem refletir e que vale a pena refletir.

Fica a dica, acho que vale a pena ler!
beijinhos